Do campo ao Palácio: Escolha você também o desfecho da sua história


Uma pessoa hiper inteligente e aplicada nos estudos, aluna da UFRJ, passando por um momento de desilusão e desmotivação, momento este pelo qual nós passamos ao longo de nossa trajetória quando decidimos “correr atrás” dos nossos sonhos, falou-me que ia desistir da faculdade porque a única coisa que aprendeu foi cuidar da casa, ela não teve o privilégio que muitos têm de apenas estudar, além de estudar ela tinha que ajudar a sua mãe nos afazeres da casa, logo ela nasceu pra ser apenas uma mãe, uma ótima dona-de-casa, por isso iria parar.

Após ouvi-la, atenciosamente, perguntei-a o que Davi e José teriam sido se tivessem tomado uma decisão baseada neste mesmo argumento que ela estava apresentando. Davi e José, dois personagens da Bíblia, tiveram histórias bastante parecidas: Ambos começaram muito jovens apascentando as ovelhas de seus pais; ambos, também, por fazerem a diferença, despertaram inveja naqueles que lhes rodeavam; ambos tiveram muita dificuldade na caminhada, afinal, quem não tem? Davi enfrentou um urso, um leão e um gigante; José foi vendido como escravo pelos seus irmãos e depois preso, injustamente, pelo seu patrão. Imagine-se agora, em uma destas situações: De frente para um urso, um leão, ou um gigante, ou, também, sendo preso injustamente, acusado de algo que você não fez, ou até mesmo sendo vendido, como uma mercadoria, pelos seus próprios familiares para ser escravo? Imaginou? Agora compare com a maior dificuldade que você já enfrentou na vida ou está enfrentando neste exato momento. E aí, você está melhor ou pior que estes dois jovens? Você deve está pensando... e o que eles tinham de especial para conseguir vencer todos estes obstáculos?

José em vez de ficar desesperado com a sua situação, reclamando da vida e procurando o culpado pelo que estava passando, continuou fazendo a diferença onde estava, ele sempre dava o melhor de si, não importava se estava na casa do seu patrão como empregado ou se estava na prisão, ele fazia o melhor que podia e é por isso que ,hoje, ele não é conhecido como um escravo, nem tão pouco como um prisioneiro, mas sim como o vice-governador do Egito. E Davi? Davi também não ficou dando desculpas por não ter um armamento adequado para enfrentar os perigos que ameaçavam tirar dele aquilo que tinha, ele sempre “jogou com as cartas que tinha à mão”, ele não ficou olhando para as armaduras do gigante, dizendo que era impossível vencê-lo porque todo o seu corpo estava protegido e nem, também, deu ouvidos ao povo que dizia que ele não iria conseguir, o contrário, ele fixou o seu olhar no único lugar que poderia acertar e ser o vencedor, ele acreditou, e é por isso que, hoje, ele está na história como o Rei Davi. Ambos começaram a sua carreira no campo, mas terminaram no palácio.

O concurso que você vai prestar pode até ter apenas uma vaga, ou melhor, o cargo que você deseja pode até ser ocupado apenas por uma pessoa a cada quatro anos, ou ainda ele pode ser o cargo da pessoa mais poderosa do mundo, mas e daí? Você vai ficar olhando pra concorrência ou vai fixar o olhar na vaga, você vai ficar contemplando a quantidade de candidatos que está disputando aquele cargo ou vai dar o máximo de si até consegui-lo. Você vai continuar dando ouvidos àquilo que dizem de você, que você não vai conseguir, ou vai mostrar que tudo é possível ao que crê? Será que você ainda vai ter a coragem de ficar com desculpites? Quem vai ser o próximo culpado pelo seu insucesso: os cursinhos ou os professores, os livros ou as bancas...?

O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza de seus sonhos. (Elleanor Roosevelt)


Cleybson Ferraz Cascimiro
Concurseiro e estudante da UFRJ