Notícias do Front

Há pouco tempo, acompanhei uma operação policial. Jovens servidores concursados apreenderam dúzias de quilos de cocaína e vários outros bens, entre eles grossos cordões de ouro e diversos relógios bem caros. Tudo apreendido, traficantes fora de circulação e no xadrez. Não houve acerto, não teve "jeitinho". Os dólares e o Rolex de dez mil reais que servem também para conseguir "abrir" um flagrante estão devidamente relacionados no Auto de Apreensão. Fiquei orgulhoso: tem muita gente honesta e séria trabalhando para o povo brasileiro. Acreditem. É um dos "fronts" que temos.

O serviço público é um front, o país outro, a Justiça Social outro, a educação, os concursos, a vida pessoal...

A arrecadação da Receita vem aumentando, recorde após recorde, cada vez com mais eficiência para enfrentar os sonegadores que tiram do "bolso da viúva". Ao coibir a sonegação, a Receita também prestigia os empresários honestos, que sofrem com a concorrência desleal dos que sonegam. A Polícia Federal está atuando, o Ministério Público cuidando do Meio Ambiente, idosos etc. Os juízes federais que estão tomando posse têm feito diversas inovações em busca da produtividade e eficiência.

As coisas estão melhorando, acreditem.

Dentro do âmbito dos concursos, quando o decreto nº. 6.944 ainda era um projeto, sugeri ao Congresso Nacional a inclusão da vedação de que os fraudadores participem de concurso por oito anos (preferia que fosse para sempre, mas a Constituição veda penalidades eternas). Alguns concursos estão sendo anulados, mas, "dos males, o menor". Isso significa que está havendo fiscalização de sua lisura e os que estão estudando é que vão levar os cargos.

Desde o início do ano, a Justiça suspendeu mais de 20 concursos. Apesar dos danos aos candidatos, em sua maioria passíveis de reparação pela via judicial, o mais importante é que a Justiça se antecipou ao problema e, mais que isso, está deixando claro que probidade e transparência não são negociáveis. Isso é uma garantia de que você, concurseiro, vai ficar sabendo das oportunidades que surgirem.

Continuo recebendo semanalmente vários e-mails de pessoas que tiveram dificuldades, que amargaram um "deserto", mas que estão tomando posse pelo país afora. Fazem parte de uma nova geração de servidores, que querem mudar a imagem e a eficiência do funcionalismo público brasileiro, que querem recuperar o prestígio de uma classe injustamente rotulada. Meu desejo é que alcancemos dias em que os servidores cumpram seus deveres. Sem heroísmos nem exageros. Servidores normais, comuns, mas com honra e comprometimento, que farão um país mais justo e digno.

Por esses motivos, cada vez mais pessoas estão se "alistando" na página www.revolucao.info, se comprometendo a fazer parte da revolução que o serviço público pode ter e que a população merece.

Aí estão os cinco compromissos que proponho:

1. Ser um bom servidor público: Faça o que você espera que seja feito por um bom servidor.

2. Tratar o público com educação e respeito: Seja gentil e educado com o nosso público. Afinal, ele é o nosso patrão.

3. Melhorar a operação: Aumente sua produtividade. Faça o que tem de ser feito de um jeito melhor, mais rápido e mais barato para a população e o país.

4. Ser proativo: Não fique esperando soluções externas (leis, orçamentos, meio etc.). "Faça o que você pode, com o que você tem e onde você está." - Teddy Roosevelt.

5. Ser honesto: É fácil acabar com a corrupção no Serviço Público: basta não participar dela.

É isso. Estas são as notícias e elas me parecem muito boas. Espero as boas notícias de vocês também. E que cada um participe, com seu "metro quadrado", na Revolução.

William Douglas é juiz federal, professor universitário, palestrante e especialista em provas e concursos.