Serviço Público pode proporcionar alta qualidade de vida


Por que vale a pena ser servidor público?

Ter a certeza do salário no fim do mês, adquirir qualidade de vida e fazer planos a longo prazo são as principais vantagens listadas por pessoas que já garantiram o emprego estável. A ascensão profissional é outro fator que impulsiona a dedicação de quem deseja ser ou já é um servidor.

Em 2006, recém-formado em Direito, Bruno Mouta da Silva espantou o fantasma do desemprego ao saber de sua convocação pelo concurso público da Agência Nacional de Saúde (ANS). “Bem no dia da minha apresentação de monografia, recebi a notícia de que tinha sido chamado. Fiquei muito feliz, pois a maioria das pessoas se preocupa em ter emprego quando saem da faculdade, e eu, recém-formado, havia conseguido um emprego estável”, afirmou.

Atualmente no cargo de técnico administrativo, Bruno da Silva, de 26 anos, quer trilhar caminhos mais altos e estuda para fazer concurso de nível superior . Segundo ele, estudar com afinco é apenas uma das metas a serem seguidas por quem sonha com a estabilidade.

“Não basta só se preparar – eu perdi muitos fins de semana e muitas noites de sono para estudar – é preciso focar num objetivo, como a carreira e o salário que almeija”, disse. “Apesar de abrir mão de muita coisa para isso, o final acaba recompensando”, destacou.

Sua parceira de concurso e de trabalho, a especialista em Regulação de Saúde Suplementar, Carmem Letícia dos Santos, de 30 anos, afirma que quando atuava no setor privado, o tempo para a vida pessoal era escasso e o investimento em qualificação profissional era deixado de lado.

“Depois de ingressar na ANS, há um ano, além do aspecto financeiro, melhorei minha qualidade de vida, pois tenho horário para trabalhar, para estudar e também para o lazer. Aqui se investe na qualificação, em cursos, ou seja, na valorização do funcionário. Desta forma, há mais chances de crescer na carreira”, explicou.

Desde os 18 anos de idade, Elisabete Aquino fazia o que mais gostava, que era dar aulas. Anos depois, ao se formar em História e Didática, conseguiu se tornar professora, profissão que, apesar da dedicação exclusiva, era sua paixão. Logo em seguida, a vida lhe impôs uma tomada de decisão e ela se viu num dilema. “Eu engravidei e percebi que não haveria como ser professora e mãe ao mesmo tempo”. Ao saber da notícia, estudou durante dois anos e meio para o concurso do Tribunal de Justiça e acabou classificada no cargo de técnica judiciária. “O que pesou na minha decisão de ser servidora pública foi o salário, a estabilidade e o horário para a minha família”, completou.

Aos 31 anos, ela se dizia satisfeita com o trabalho que desempenha e, principalmente, com o tempo que tem para a filha e para estudar, buscando, agora, alcançar o cargo de analista judiciário. “Hoje tenho a garantia de poder fazer planos”, comemorou. Mudança ainda mais radical aconteceu com a gaúcha Adriana de Castro, de 37 anos que, aos 33, e morando com a mãe no Rio Grande do Sul, viu sua vida se transformar quando passou no concurso da Petrobrás para bibliotecária. “Fiz o concurso de âmbito nacional e fui convocada para o Rio de janeiro, onde trabalho. No início foi difícil porque era outro estado, mas vim porque queria o emprego estável e ganhar mais”, afirmou. A adaptação, disse, foi ficando mais fácil com o tempo, já que muitas pessoas do seu trabalho se encontravam na mesma situação.

A família também vem em primeiro lugar para a fisioterapeuta do Hospital Municipal Álvaro Ramos, Roberta Cavalcanti, de 31 anos. Por isso, investir em bens próprios e se dedicar mais ao cuidado com o filho, de três anos, foram as principais conquistas que vieram com o emprego público. “Depois que comecei no hospital, há quatro anos, eu e meu marido tivemos a segurança de poder encarar o financiamento do carro e da casa própria. Com uma carga horária menor e estabelecida, adquiri qualidade no trabalho e no tempo que passo com meu filho”, afirmou.

Se o seu projeto de vida for simples ou grandioso e se ainda não houve a oportunidade de colocá-lo em prática, lembre-se desses exemplos. Não há limite de tempo ou de lugar para alcançar um objetivo, em nome da melhoria de vida, da segurança e da garantia que o emprego público proporciona.

Fonte: Folha Dirigida