Concurso IBGE 2017: Informações Gerais e Dicas Sobre a Prova

Concurso IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou dois editais ofertando 600 vagas para servidores de níveis médio e superior. Leia a matéria completa e saiba todos os detalhes necessários para garantir uma boa atuação nesse concurso.

Concurso IBGE 2016: Inscrições, Vagas, Remuneração, Benefícios e Validade

Autorizados desde julho de 2015, os editais n° 01/2015 e n° 02/2015 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) abriram suas inscrições somente no dia 14 de dezembro de 2015. Ambos estão sendo organizados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e oferecem 460 vagas para técnicos (nas áreas de Informações Geográficas e Estatísticas A I), 90 vagas para Analista e 50 vagas para Tecnologista.

Os interessados em qualquer um dos editais devem realizar suas inscrições entre os dias 04 de janeiro de 2016 e 28 de janeiro de 2016 no endereço eletrônico http://fgvprojetos.fgv.br/concursos/ibge, sob taxa de R$ 49,00 ou R$ 69,00, a depender da vaga pleiteada. O pagamento do boleto poderá ser feito até o dia 29 de janeiro de 2016, devendo o comprovante de pagamento ser apresentado no dia da prova.

A partir do dia 11 de abril de 2016 todos os candidatos deverão acessar o site www.fgv.br/fgvprojetos/concursos/ibge para imprimir o Cartão de Confirmação de Inscrição do Candidato.

Veja os Editais Completos do Concurso do IBGE: Edital n° 01/2015 e Edital n° 02/2015.

Lembrando que 5% (cinco por cento) das vagas serão destinadas a portadores de necessidades especiais, e 20% para os candidatos que se autodeclararem negros ou pardos. Um dos motivos pelos quais os concursos efetivos do IBGE estão no ranking dos mais concorridos do Brasil é a remuneração oferecida: no total, são R$ 2.216,45 de vencimento base para técnicos, podendo chegar a R$ 4.638,01, e R$ 4.352,49 para analistas, podendo chegar a R$ 8.734,88. Estes adicionais no salário são referentes à “Gratificação de Desempenho de Atividade em Pesquisa, Produção e Análise, Gestão e Infraestrutura de Informações Geográficas e Estatísticas (GDIBGE)” e à “retribuição por titulação”, que aumenta o salário do servidor no momento em que ele sobe de grau acadêmico.

Outro fator que incita muitos concurseiros a estudarem para a prova do IBGE são os benefícios ofertados. Para os ingressantes na carreira, haverá auxílio-alimentação no valor de R$ 373,00 (valor fixo para todos os cargos ofertados), auxílio-transporte, Assistência à Saúde (Médica e Odontológica) opcional ao servidor e aos seus dependentes de até R$ 167,70.

Para tomar posse do cargo almejado, é preciso ser brasileiro (ou português amparado pelo Estatuto de igualdade entre brasileiros e portugueses), estar com suas obrigações eleitorais em dia e quite com o serviço militar (no caso de candidato do sexo masculino), ter dezoito anos completos, comprovar que não é sócio-gerente ou administrador de empresa privada, não estar incompatibilizado para a nova investidura em cargo público, gozar de plenos direitos políticos, ter aptidão física e mental para o exercício do cargo, possuir o nível de escolaridade exigido no edital e apresentar todos os documentos requeridos para a investidura no cargo.

A carga horária trabalhista exigida em ambos os editais é de 40 horas por semana, o que equivale a 8 horas diárias de serviço.

O concurso terá validade de 12 meses, podendo ser estendido por igual período, a critério do IBGE.

Como é a concorrência desse concurso?

No último concurso do IBGE em 2013, foram disponibilizadas trezentas vagas para o cargo de técnico, com quase 120.000 pessoas inscritas. No entanto, uma grande porcentagem de candidatos não compareceu à prova (44.443 pessoas), ou seja, apenas 62,8% dos inscritos disputaram as vagas. Isto sem falar no número de pessoas que não se prepararam de forma alguma para enfrentar o certame e comparecem só para tentar a sorte ou para não “perder” o investimento que fizeram com a inscrição.

A concorrência varia muito de cidade para cidade. No concurso de 2013, por exemplo, a cidade que teve maior concorrência foi Macapá (AP), com 2.231 inscritos para 1 vaga. Já a cidade de Tefé, no Amazonas, teve apenas 96 inscritos para 1 vaga. Para verificar a concorrência do concurso passado em sua cidade, acesse: www.cesgranrio.org.br/pdf/ibge0213/ibge0213_candidatovaga.pdf.

Fazendo uma análise mais profunda, é preciso atentar também para a “nota de corte” da cidade escolhida. Uma maior concorrência não significa necessariamente que você precisará tirar uma nota altíssima para passar. Como exemplo temos a cidade de Macapá (AP), na qual houve a maior concorrência e a menor nota de corte na categoria de candidatos portadores de necessidades especiais, em que um candidato passou no concurso tendo acertado somente 56,5 dos 100 pontos da avaliação.

Uma nota de corte satisfatória para passar em mais de 80% das cidades seria a de 87,5 pontos. Com 95 seria possível obter aprovação em todas as regiões ofertantes de vagas. Desse modo, é imprescindível o estudo aprofundado em todas as matérias, principalmente depois da “enxugada” que foi dada neste edital de 2015/2016: de seis disciplinas cobradas no concurso passado para Técnicos, foram postas apenas quatro no edital vigente: Língua Portuguesa, Matemática, Geografia e Conhecimentos sobre o IBGE.

Quais foram as maiores mudanças do Edital de 2013 para o atual?

TÉCNICOS

- Não há mais as disciplinas de Informática e Conhecimentos Gerais, porém, o conteúdo das matérias de Matemática, Geografia e Língua Portuguesa ficaram mais abrangentes.
- A matéria “Conhecimentos específicos” de 2013 agora se chama “Conhecimentos sobre o IBGE” e nenhum item foi alterado.
- Na prova de 2013, as questões de Língua Portuguesa e Raciocínio Lógico tinham maior peso, valendo 2,5 pontos casa. No edital deste ano, não haverá diferenciação: todas as questões valerão 1 (um) ponto.
- Apesar de serem pesos iguais para quaisquer disciplinas, é preciso dar atenção especial às disciplinas que apresentação mais questões na prova.

Veja, a seguir, o número de questões em cada disciplina:

Língua Portuguesa 20
Geografia 15
Matemática 15
Conhecimentos sobre o IBGE 10

Sendo assim, é preciso dedicar mais tempo de estudo para as disciplinas de Língua Portuguesa, Geografia e Matemática. Caso você tenha facilidade em uma dessas matérias, estude mais a(s) que considerar mais complexa(s), para que suas chances de aprovação sejam maximizadas.

ANALISTAS

- Para este concurso, foram disponibilizadas novas áreas: Análise de Projetos, Análise de Biodiversidade, Educação Corporativa, Engenharia Agronômica, Engenharia Civil, Jornalismo/Redes Sociaias e Processos Administrativos Disciplinares.
- A área de Geoprocessamento foi aberta apenas para os Tecnologistas.
- Este ano não contratarão Analistas de Orçamento/Finanças, Arquivologia e Administração Escolar.
- Assim como no cargo de técnico e tecnologista, as questões não terão mais pesos diferentes. No entanto, 35% da prova estará concentrada na parte de conhecimentos específicos de cada área de atuação.

TECNOLOGISTAS

- Neste ano, foram abertos os ramos de Engenharia Florestal e Biblioteconomia.
- Saíram do edital os cargos de Tecnologista em Edição e Vídeo, Análise Pecuária e Análise Agrícola.
- Mais de 50% das vagas serão lotadas no Rio de Janeiro.
- Metade da prova para os tecnologistas da área de estatística estará concentrada nos conhecimentos específicos.

Em quais matérias devo focar meus estudos?

Para os cargos de nível técnico, a prova de Língua Portuguesa será a mais cobrada (20 itens), porém, haverá 15 questões de Matemática e 15 de Geografia, não podendo o candidato negligenciar nenhuma das três disciplinas. Caso não haja muito tempo para o estudo, é preferível que os Conhecimentos sobre o IBGE fiquem por último, haja vista ser uma matéria menos cobrada na prova, com apostila disponibilizada no site da Fundação Getúlio Vargas e de mais fácil assimilação.

Para os cargos de Analista e Tecnologista, a estratégia é fazer um estudo direcionado para os conhecimentos específicos, pois estes poderão tomar até 50% do conteúdo da prova, a depender da área de atuação. Para os candidatos aos cargos de Analista – Área de Conhecimento de Design Instrucional – e Tecnologista – Área de Conhecimento de Programação Visual/Webdesign – também será preciso planejar um tempo para praticar os comandos que serão solicitados na prova prática. Os analistas utilizarão os programas do pacote Microsoft Office ou Libre Office, com o objetivo de elaborar um projeto de solução educacional. Já os tecnologistas deverão reforçar seus conhecimentos nas Plataformas Adobe Photoshop CS6, Adobe Dreamweaver CS6 e Adobe Illustrator CS6 para criar um website responsivo e crossbrowser em HTML 5.

O que esperar da banca FGV?

Ter a FGV como banca de um concurso do IBGE foi uma surpresa, haja vista ter sido a Cesgranrio a organizadora de muitos concursos anteriores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. No entanto, não há motivos para temer a Fundação Getúlio Vargas, uma banca de certa forma previsível por ser tão tradicional, além de ter as questões de Matemática em estilo semelhante ao da Cengranrio. Sendo assim, para os concurseiros que já estavam há algum tempo estudando pelo edital de 2013/2014, não haverá muitas novidades e o conhecimento adquirido será bem aproveitado.

Para lograr êxito no certame, recomenda-se que o candidato faça o download das provas anteriores de concursos afins, como do Tribunal de Justiça de Roraima (2015), do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (2015), do Tribunal Judiciário da Bahia (2015), entre outros. Resolvendo os exercícios propostos nestas provas, você estará se habituando ao estilo de prova da FGV e chegará mais preparado no dia do certame.

Para onde serão destinadas as vagas?

As oportunidades estão distribuídas em 165 municípios do Brasil, com 17 vagas para o estado de Santa Catarina, 8 para Sergipe, 56 para São Paulo, 5 para Palmas no Tocantins, 30 para o Rio Grande do Sul, 6 para Rondônia, 8 para o Rio Grande do Norte, 36 para o Rio de Janeiro, 31 para o Paraná, 10 para o Piauí, 25 para Pernambuco, 10 para a Paraíba, 18 para o Pará, 8 para o Mato Grosso, 6 para o Mato Grosso do Sul, 45 para Minas Gerais, 12 para o Maranhão, 19 para Goiás, 9 para o Espírito Santo, 20 para o Distrito Federal, 24 para o Ceará, 39 para a Bahia, 7 para Manaus no Amazonas, 8 para Alagoas e 5 para o Acre. Para as funções de Analista, a maioria dos cargos deverá ser alocada em uma só cidade, com exceção das funções de Analista de Ciências Contábeis (Florianópolis, Vitória, Rio de Janeiro, Cuiabá e Belo Horizonte) e de Geoprocessamento (São Paulo, Porto Alegre, Natal, Teresina, Recife, Belém, Belo Horizonte, São Luís, Macapá e Manaus). Já para os Tecnologistas, haverá vagas em dois estados nas áreas de Geografia (Belém e Rio de Janeiro), Engenharia Florestal (Salvador e Florianópolis) e Engenharia Cartográfica (Goiânia e Rio de Janeiro).

Como elaborar meu plano de estudos?

Crie uma planilha no Excel com os dias da semana e os horários pré-definidos do dia. Estabeleça um turno para estudo ou, caso tenha mais tempo, risque apenas os horários em que não será possível estudar, seja qual motivo for. Os horários remanescentes serão os que você utilizará para o estudo.

Com o edital em mãos, estipule um número de horas total para cada matéria a ser estudada até o dia da prova, dedicando mais tempo às disciplinas que tiver mais dificuldade. Para não “se enganar”, utilize algum aplicativo para cronometrar seu tempo de estudo e pause a contagem sempre que precisar se ausentar, mesmo que seja para beber água ou ir ao banheiro, ou quando fugir do raciocínio para pensar em outra coisa.

Desse modo, você verá que 10 horas “de estudo”, normalmente, não chegam a efetivas 6 horas de aprendizado. Ciente do seu nível de dispersão, você poderá trabalhar para aumentar o seu autocontrole gradativamente.

É importante que o estudo só termine quando for batida a meta de horas efetivas do dia. Caso, por algum motivo, você não tenha como finalizar o tempo de estudo estipulado, os minutos ou as horas que sobraram devem ficar para o outro dia, sendo cumpridas impreterivelmente.

Não esqueça de reservar, no mínimo, a semana anterior à prova para dedicar-se à revisão dos conteúdos estudados e à resolução de questões de provas passadas. A conquista de um sonho exige foco, esforço e disciplina.

Qual a Melhor Apostila Para o Concurso do IBGE?

Recomendamos a apostila completa da Editora Opção que possui versão digital em PDF (para computadores, tables e smartphones) e versão impressa entregue via Correios. O material está bem completo e atualizado, ótimo custo benefício:
IBGE (Técnico)-TÉCNICO EM INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS E ESTATÍSTICAS

E Qual é o Melhor Curso Online?

Recomendamos os cursos online da Estratégia Concursos pois possuem os melhores professores e aprovaram vários candidatos nos últimos concursos.

Aulão Ao Vivo | Dissecando o Edital IBGE 2015/2016

Clique aqui para se inscrever no curso online para o concurso do IBGE.

Bons estudos e boa sorte!

Compartilhe Esse Conteúdo Com Seus Amigos

Conteúdo Em Destaque

Deixe o Seu Comentário...

Acha Difícil Passar em Concursos? Conheça o Curso Onde Você Aprenderá Rapidamente a Passar em Qualquer Concurso Público Estudando Apenas 2 Horas Por Dia!