A Queda do Império Americano

            Nós vivemos imersos nas emoções do presente e julgamos impossível visualizar o futuro. Mas basta um olhar conhecer a História, lançar um olhar crítico sobre os acontecimentos e o futuro será descortinado.

            Os bons autores são os nossos guias. Giovanni Arrighi é o maior especialista em POTÊNCIAS HEGEMÔNICAS e nos mostra como o mundo está mudando cada vez mais rápido e o poder, cada vez mais efêmero.

            Neste exato momento, o IMPÉRIO AMERICANO está em franca decadência e a CHINA se despontando como NOVA POTÊNCIA HEGEMÔNICA.

As potências hegemônicas

 

            A População, as Exportações, as Reversas Internacionais, a Balança Comercial e o Crescimento do Pib. Em todas estas comparações, a CHINA ganha. Mas há um dado, que é o meu predileto: A POUPANÇA. Quando um país poupa bastante, é sinal que está produzindo mais do que precisa. Mais ainda, a poupança é garantia de investimento para produzir um futuro ainda melhor.

            Vejamos os números das duas grandes potências.

Poupança em % do PIB

É gritante a diferença. Enquanto a poupança da Potência decadente beira os 10% do PIB, a poupança da CHINA ultrapassa os 50%. O desequilíbrio é evidente.

             A Hegemonia Militar dos Estados Unidos ainda é incontestável, mas ela tem um preço: os Estados Unidos são responsáveis por mais de 40% dos gastos militares de todo o Mundo. Uma insanidade, que já está a cobrar a conta. Seguramente, haverá cortes nos Gastos Públicos. Todas as potências que orientaram seus esforços para as Guerras se deram mal. Não. A Guerra é a última das opções.

            Além das Guerras, os Estados Unidos enfrentam um problema ainda mais sério: A DEPENDÊNCIA DO PETRÓLEO. Eles eram os maiores produtores de petróleo, mas agora se tornaram o maior importador. Quando a economia cresce, o aumento do consumo de combustíveis piora sensivelmente suas contas externas. Quando a Economia Mundial vai bem, o preço do petróleo aumenta. E os Estados Unidos observam suas contas se degradarem. As contas só melhoram quando os Estados Unidos vão mal e o Mundo também.

 

Saldo Comercial dos Estados Unidos

 

Repare: Quando o Mundo e a Economia Americana vão bem, o Saldo Comercial piora. Em momentos de crises, o saldo não piora ou até mesmo ameaça voltar à normalidade. Atualmente, mesmo sem uma forte recuperação, o saldo comercial está se degradando rapidamente.

É evidente que um país unido e sensato poderia fazer com que sua queda fosse lenta e de pé. Mas não é o que temos visto. Os Estados Unidos são uma nação dilacerada pela briga de interesses mesquinhos.

E os próximos anos prometem ser emocionantes...


SapoiaSobre o Autor

PAULO CÉSAR PEREIRA (SAPOIA) - Engenheiro Civil, aprovado em 26 concursos, autor do site da TÉCNICA DO CHUTE, já teve mais de 4 milhões de visitas no YouTube. O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.