Pontuação

 

    Os sinais de pontuação são usados para estruturar as frases escritas de forma lógica, a fim de que elas tenham significado. A pontuação é tão importante na linguagem escrita quanto a entonação, os gestos, as pausas e até o tom de voz, são na linguagem oral. Bem empregados, os sinais de pontuação são um grande recurso expressivo:

"Oh! que doce era aquele sonhar...
Quem me veio, ai de mim! despertar?" (Almeida Garret)

Mal colocados, no entanto, eles podem provocar confusão ou até mudar o sentido das frases:

 

Raquel não me respondeu. Quando a procurei, já era tarde.
Raquel não me respondeu quando a procurei. Já era tarde.

 

I.                   O ponto
O ponto (ou ponto final) é utilizado basicamente no final de uma frase declarativa:

 

"Não sou poeta e estou sem assunto." (Fernando Sabino)

Alguns gramáticos chamam de ponto final apenas o ponto que encerra uma sentença. Ao ponto seguido por outras frases chamam de ponto simples. Além de finalizar um período, o ponto é utilizado em abreviaturas (ponto abreviativo: etc., h., S. Paulo) e é muito usado quando apenas uma vírgula bastaria. É um recurso estilístico:

"Viera a trovoada. E, com ela, o fazendeiro, que o expulsara."
(Graciliano Ramos)

Corintianos lotam o estádio. E rezam

 

2. A vírgula
A vírgula, em seus vários usos, é fundamental para a correta entoação e interpretação da frase escrita. Como simples sinal de pausa, ela indica um tempo geralmente menor que o do ponto. Todo cuidado, porém, é pouco para que ela não seja empregada como sinal de pausa
em situações equivocadas. Compare o ponto e a vírgula como sinal de pausa:

 

Era de noite, as janelas se fechavam.
Era de noite. As janelas se fechavam.

 

SINAIS DE PONTUAÇÃO

PONTO

( . )

VÍRGULA

( , )

PONTO-E-VÍRGULA

( ; )

DOIS PONTOS

( : )

PONTO DE INTERROGAÇÃO

( ? )

PONTO DE EXCLAMAÇÃO

( ! )

RETICÊNCIAS

( ... )

PARÊNTESES

( ( ) )

TRAVESSÃO

( - )

ASPAS

( “ “ )

 

     O emprego da vírgula
O uso da vírgula é basicamente regulado pela sintaxe. Assim, nem toda pausa é marcada por vírgula:

Seus grandes e valorosos serviços em prol da causa revolucionária de seu país foram tardiamente reconhecidos.

 

Na leitura em voz alta desse trecho, normalmente faríamos uma pausa após a palavra país. O uso da vírgula nesse caso, porém, é incorreto porque estaríamos separando o sujeito do verbo.

Como usar a vírgula

· Em enumerações, para separar os elementos que as compõem:

Machado de Assis foi contista, romancista, poeta, dramaturgo e crítico literário.

Nosso maior contista, romancista, poeta, dramaturgo e crítico literário foi Machado de Assis.

(geralmente, o último termo da enumeração vem separado pela conjunção e)

· Em intercalações, quando palavras ou expressões se interpõem entre o sujeito e o verbo; entre o verbo e seus complementos (objetos) ou entre verbo e predicativo:

Os funcionários, a pedido do diretor,alteraram o horário.

                                                 sujeito                                                 verbo

Os funcionários alteraram, a pedido do diretor,o horário.

                                                                    verbo           objeto

Os funcionários estavam, porém,conscientes de seus direitos.

                                                                   verbo                     predicado                   

Atenção: quando se trata da intercalação de uma expressão curta, pode-se omitir a vírgula:

Os funcionários alteraram imediatamente o horário da semana.

As crianças comem brincando uma lata de sorvete!

· Para separar adjunto adverbial, sempre que ele seja extenso ou quando se quer destacá-lo:

Depois de inúmeras tentativas, desistiu.

Escove os dentes,sempre, e diga adeus às cáries!

 

· Para isolar o predicativo quando não for antecedido por verbo de ligação:

 

Furioso, levantou-se.

 

·  Para isolar aposto:

A minha avó, Maria, era suíça.

 

· Para isolar o vocativo:

Estamos de férias, pessoal !

 

· Para marcar elipse do verbo:

 

Sua palavra é a verdade; a minha, a lei.

 

· Para separar orações coordenadas, exceto as iniciadas pela conjunção e:

 

"Sei que ele andou falando em castigo,mas ninguém se impressionou."
(José J. Veiga)
"Quis retroceder, agarrou-se a um armário, cambaleou resistindo
ainda e estendeu os braços até a coluna."
(Lygia Fagundes Telles)

 

 

 

 

 

 

 

 

Atenção: muitas vezes usa-se a vírgula antes de e, principalmente quando liga orações com sujeitos distintos:

"Agora Fabiano era vaqueiro, e ninguém o tiraria dali."
(Graciliano Ramos)

Para dar ênfase, marcando uma pausa maior:

"Disse, e fitou Don'Ana e sorriu para ela."
(Jorge Amado)

Quando forma um polissíndeto:

Levanta, e senta, e vira, e torna a se levantar.

· Para isolar orações adjetivas explicativas:

Minha avó,que era francesa, não tolerava grosserias.

· Para separar as orações adverbiais e substantivas quando antecedem a oração principal:

"Quando Maria Elvira se apanhou de boca bonita, arranjou logo um namorado."
(Manuel Bandeira)

Como Cassiano chegou a prefeito, ninguém soube.

 

 

 

 

Atenção: quando pospostas à oração principal, as orações substantivas, com exceção da apositiva, não vêm separadas por vírgulas:

Ninguém soube como Cassiano chegou a prefeito.

As orações adverbiais pospostas à principal geralmente se separam por vírgula, nem sempre
obrigatória:

A chuva não veio,embora todos a esperassem.

As mesmas regras que valem para as orações desenvolvidas valem para as reduzidas:

"Para erguer-se, foi necessária a ajuda do carcereiro."
(Murilo Rubião)

3.Ponto-e-vírgula
O ponto-e-vírgula é usado basicamente quando se quer dar à frase a pausa e a entoação equivalentes ao ponto, mas não se quer encerrar o período:

"A alma exterior daquele judeu eram os seus ducados;
perdê-los equivalia a morrer."
(Machado de Assis)

· O ponto-e-vírgula também é utilizado para separar itens de uma enumeração:

O plano prevê:
a) internações;
b) exames médicos;
c) consultas com médicos credenciados.

 

 

 

4. Dois-pontos
Usam-se os dois-pontos, geralmente:

· Para introduzir uma explicação, um esclarecimento:

"Cada criatura humana traz duas almas consigo:
uma que olha de dentro para fora,
outra que olha de fora para dentro..."
(Machado de Assis)

· Para introduzir uma citação ou a fala do personagem:

O avô costuma resmungar:
"Quem sai aos seus, não degenera..."

 

 

 

 

5. Interrogação e exclamação

· O ponto de interrogação marca o fim de uma frase interrogativa direta:

Quem te deu licença?

· O ponto de exclamação marca o fim de frases optativas, imperativas ou exclamativas:

Como era lindo o meu país!

 

 

 

6. Reticências
As reticências interrompem a frase, marcando uma pausa longa, com entoação descendente. São usadas basicamente:

· Para indicar uma hesitação, uma incerteza ou mesmo um prolongamento da idéia:

"Há um roer ali perto... Que é que estarão comendo?" (Dionélio Machado)

· Para sugerir ironia ou malícia:

"— Se ele até deixou a mulher que tinha, Sinhô.
É um fato. Estou bem informado... — e ria para
João Magalhães, lembrando Margot."
(Jorge Amado)

 

 

 

7. Aspas
As aspas são usadas para assinalar citações textuais e para indicar que um termo é gíria, estrangeirismo ou que está sendo usado em sentido figurado:

O presidente afirmou em seu discurso: "Toda corrupção será combatida!"

Minha turma é "fissurada" nessa música.

8. Travessão e parênteses
São usados para esclarecer o significado de um termo:

Granada — último refúgio dos árabes — foi conquistada em 1492.

Granada (último refúgio dos árabes) foi conquistada em 1492.

Os dois sinais têm basicamente a mesma função, a diferença entre os dois está na entonação, mais pausada no caso do travessão, além do caráter estilístico, mais objetivo no caso dos parênteses.

· Intercalar reflexões e comentários à seqüência da frase:

Mas agora — pela centésima vez o pensava — não podia admitir aquelas mesquinharias.

· O travessão também é usado em diálogos para marcar mudança de interlocutor:

"— Peri sente uma coisa.
— O quê?
— Não ter contas mais bonitas do que estas para dar-te."
(José de Alencar)