Termos Acessórios da Oração



São aqueles que não são indispensáveis para o entendimento do enunciado. No entanto, acrescentam uma informação nova a um nome ou a um verbo, determinando-lhes o significado. Compare as frase:

a. sem termo acessório: Índio fará curso.

b. com termo acessório: Índio acreano fará curso na Suíça.

 

A. Adjunto Adnominal

É o termo que especifica ou delimita o significado de um substantivo. Pode ser expresso por:

ü adjetivo: Catedral de Curitiba vai ter vigilância eletrônica.

ü locução adjetiva: Bolsas de estudo para cursos a distância.

                            Ele é especialista em economia do império.

ü artigo: A genética supera os preconceitos.

ü pronome adjetivo: A tristeza tem seus significados.

ü numeral: Um balão pode voar até sete mil metros de altura.

ü oração: As florestas acreanas, / que concentram uma das maiores quantidades de recursos biológicos do planeta, / estão sendo alvo da biopirataria internacional.

à Nesse caso, a oração será classificada como oração subordinada adjetiva.

 

Diferença entre complemento nominal e adjunto adnominal (na forma de locução adjetiva).

1. Se a locução vier associada a adjetivo ou advérbio, ela será sempre complemento nominal, uma vez que o adjunto só modifica o substantivo.

Sua pesquisa é útil a todos.

                         adj.  CN

Poucos deputados manifestaram-se contrariamente à aprovação do projeto de lei de aposentadoria.                                                          

                                                               adv.                          CN

 

2. Se a locução vier associada a um substantivo, poderá exercer a função de complemento nominal ou adjunto adnominal.

ü Será adjunto adnominal se o substantivo a que se refere for concreto ou se essa locução puder ser transformada em adjetivo:

Vaso de porcelana.

Livro de geografia.

Caneta do José.

Ondas do mar. ( = marítimas )

subst. concreto e adj. adn. e adj.

 

ü Se a locução referir-se a um substantivo abstrato, será:

 - adjunto adnominal – se indicar o agente da ação expressa pelo nome;

 - complemento nominal – se for o paciente da ação.

 

Em suma, se a locução tiver valor de sujeito, será adjunto adnominal; se equivaler a objeto, será complemento nominal.

Amor de pai.                                        Amor ao pai.

 

 - No 1º caso, a expressão de pai funciona como adjunto adnominal, pois pai é agente de amar (o pai ama; pai = sujeito). Portanto o adjunto adnominal pode ser agente da ação expressa pelo nome.

 

 - Na 2ª situação, a expressão ao pai exerce a função sintática de complemento nominal, pois pai é paciente de amar (ama o pai; o pai = objeto direto).

 

Outro exemplo:

A invasão da Bélgica pelas tropas alemãs ocorreu em 1914.

A locução da Bélgica exerce a função sintática de complemento nominal, pois é paciente da ação de invadir. Já a expressão pelas tropas alemãs funciona como adjunto adnominal, uma vez que é agente da ação de invadir.

 

Diferença entre adjunto adnominal e predicativo do objeto.

Vi um filme excelente.                           Considero o filme excelente.

                   adj. adnominal                                           pred. do objeto

 

Passando essas duas frases para a voz passiva, notaremos que o adjunto adnominal continuará exercendo a mesma função ao passo que o predicativo do objeto passará a exercer a função de predicativo do sujeito:

Um filme excelente foi visto por mim.        O filme é considerado excelente por mim.

            adj. adnominal                                                       pred. do sujeito

 

B. Adjunto Adverbial

É o termo da oração que indica uma circunstância do fato expresso pelo verbo ou intensifica o sentido do verbo, do adjetivo e do advérbio.

O adjunto adverbial exerce, portanto, a função de modificador e de intensificador.

Vão viajar amanhã.   à       modificador

Viajam muito.          à       intensificador

Estão muito ansiosos.         à       intensificador

Redigem muito bem.  à       intensificador

 

P Classificação dos adjuntos adverbiais

Eis alguns tipos de adjuntos adverbiais:

causa: As crianças gritavam de dor.

companhia: Só saía com os pais.

condição: A adoção de um adolescente só é feita com o seu consentimento.

dúvida: Talvez ela se digne a falar comigo.

finalidade: Haviam deixado um espaço para a colocação da mesa.

instrumento: Batia com a caneta sobre o livro.

intensidade: A mulher se diverte muito no trabalho.

lugar: Sou um lírio na correnteza.

meio: Passei a tentar levar o barco pelo leme.

modo: Volta pacientemente ao ponto de partida para recomeçar.

negação: O suposto mar não passaria de um deserto gelado.

tempo: A gente não devia crescer nunca.

 

O adjunto adverbial pode ser expresso por:

ü advérbio.

Entrar ilegalmente nos Estados Unidos pelo México é uma empreitada de alto risco.

 

ü locução adverbial.

Nos anos 30, muitos países europeus já tinham aprovado leis de “higiene racial”.

 

ü oração.

Quando o Dr. Renato ouvia falar em operação de risco, ele pensava em cirurgia.

à Nesse caso, a oração será classificada como oração subordinada adverbial.

 

ü pronome oblíquo (comigo, contigo, conosco, convosco).

Fique comigo.

 

O mesmo adjunto adverbial pode expressar mais de uma circunstância:

-Moramos longíssimo daqui.

            -lugar e intensidade

-Jamais voltarei a esta cidade.

-tempo e negação

-Saiu da sala devagarinho. - modo e intensidade

 

C. Aposto

É o termo da oração que se anexa a um substantivo ou a um pronome, esclarecendo-o, desenvolvendo-o ou resumindo-o.

Jorge, o cozinheiro, lembrou que peixe cru é muito nutritivo.

 - O aposto o cozinheiro está anexado ao substantivo Jorge.

Nós, os artistas, adoramos ser “estraçalhados”.

 - O aposto os artistas refere-se ao pronome Nós.

 

ü o aposto vem separado dos demais termos da oração por vírgula, dois-pontos ou travessão:

A happy hour – o agradável bate-papo do fim de tarde – pode esconder um perigo: o abuso de álcool.

 

ü o aposto pode anteceder o nome a que se refere:

Pioneiros do estudo da radioatividade, Marie e Pierre Curie ganharam o prêmio Nobel de física de 1903.

 

ü o aposto pode ser representado por uma oração denominada oração subordinada substantiva apositiva:

Então aconteceu o inesperado: elegeu-se para prefeito. à a oração apositiva elegeu-se para prefeito explica o termo inesperado.

 

c1. Tipos de Aposto:

ü enumerativo – é o aposto que enumera idéias que vêm resumidas num termo antecedente: Debaixo de um juazeiro grande, todo um bando de retirantes se arranchara: uma velha, dois homens, uma mulher nova, algumas crianças.

 

ü recapitulativo – resume termos que o antecedem. Geralmente expressa-se através de um pronome indefinido: Dinheiro, amor, férias, nada a seduzia.

 

ü especificador – é um nome próprio de pessoa ou lugar que restringe o significado de um nome comum. O substantivo comum que se antecede esse aposto deve denotar a espécie a que pertence o ser designado pelo nome próprio.

- O presidente Vargas cometeu suicídio.

- O escritor Euclides da Cunha relatou a Guerra de Canudos em seu livro Os sertões.

- A cidade de São Paulo é a campeã brasileira em poluiçãp ambiental.

- Em 1969, o embaixador norte-americano Charles Elbric foi seqüestrado por militantes de esquerda.

 

· Diferença entre adjunto adnominal e aposto:

Não se deve confundir o aposto especificador com o adjunto adnominal. Compare:

 

A cidade de Recife continua linda à aposto especificador

(é possível estabelecer a igualdade Recife = cidade).

 

O clima de Recife é bastante quente à adjunto adnominal

(não é possível estabelecer a igualdade Recife = clima).

 

Faço aniversário no mês de junho à aposto especificador

(é possível estabelecer a igualdade mês = junho).

 

As festas de junho são muito populares na região do nordeste à adjunto adnominal

(não é possível estabelecer a igualdade festas = junho).

 

D. Vocativo

É um termo classificado à parte, pois não pertence nem ao sujeito nem ao predicado. É o termo utilizado para chamar, interpelar algo ou alguém.

 

Geralmente é separado por vírgula dos outros termos da oração e pode vir precedido de interjeições como: ó!, olá!, eh!, ei!

Bem-vindo, presidente!

Adeus, ano-velho.

Traga-me, vinho, o amor e a juventude.

 

O vocativo pode aparecer no início, no meio ou no final da oração:

 - Joana, leia o poema.

 - Leia, Joana, o poema.

 - Leia o poema, Joana.

 

O vocativo pode vir separado da oração quando ocorre mudança do interlocutor:

 - Roberto.

 - O quê ?

 - Venha almoçar.

O termo Roberto, que é o vocativo, vem separado da oração Venha almoçar, o que demonstra que se trata de um termo isolado, não pertence à estrutura da oração.